Preparação de Mosaico para Geoserver – gdal_retile, gdaladdo

Este post tem por objectivo ilustrar o processo de reorganização de um conjunto de ortofotos, num mosaico sem sobreposição como ilustrado na imagem (sobreposto a vermelho, e o resultado do processo a verde), através da utilização da linha de comandos FWTools, que se pode considerar um pacote universal para conversão e tratamento quer de temas raster quer de temas vectorial. Importa ainda referir que a grande vantagem da utilização da linha de comandos para este fim é a possibilidade de tratar rapidamente múltiplos ficheiros, nomeadamente através da utilização do comando for.

1. Recolha das paths de cada uma das imagens a participar no mosaico final, tem por objectivo guardar num ficheiro txt os caminhos de todas as imagens de entrada, através do comando.

for %i in (*.sid) do echo %~fi >> listsid.txt

No caso exemplificado as imagens utilizadas encontravam-se no formato sid pelo que deverão alterar a extensão de acordo com as vossas imagens.

2. Neste passo executar-se à o comando gdal_retile para criar o novo mosaico, assim como o índice das imagens no formato de um ficheiro shapefile.

gdal_retile -v -of Gtiff -co “TILED=yes” -ps 5000 3125 -tileIndex nome_indice -targetDir directorio_destino ficheiro_ent1 ficheiro_ent2 ….

Depois deste comando teremos como resultado um conjunto de imagens em mosaico, com dimensões 5000×3125 (cada imagem), no formato TIF e com mosaico interno por imagem (através da opção -co “TILED=yes”, que tem por objectivo aumentar a rapidez de acesso à imagem), e um índice no formato shapefile nome_indice.shp. Podem aqui aproveitar o ficheiro listsid.txt para fazer o copy paste dos caminhos.

3. Adicionar Overviews as imagens criadas, com o objectivo de tornar mais rápido o acesso às mesmas.

cd directorio de destino
for %i in (*.tif) do gdaladdo -r average %i 2 4 8 16

Acrescentando assim 4 níveis de overview às imagens que constituem o mosaico.

4. Depois poderemos então seguir os passos referidos no tutorial do geoserver, sem ser necessário correr o comando gdaltindex.

Hello world, WordPress

Antes demais bem vindos a este novo espaço de reflexão.

A minha primeira reflexão vai para o WordPress, que se revelou uma ferramenta completa e de muito fácil uso ,que abre a criação de conteúdos a qualquer um. Afinal de contas é isso que é a Web 2.0, e para esta se estabelecer dá forma solida que apresenta hoje, muitas aplicações foram desenvolvidas, blog’s, wiki’s, flickr’s, etc e diversos mashups de tudo isto, e entre estas não há dúvida que foram as ferramentas e filosofias OpenSource que impulsionaram essa construção.

Mas é sobre outro tipo de ferramentas/plataformas de colaboração que este site pretende falar, as ferramentas que tratam um tipo especial de conteúdos, a informação geográfica. Neste capítulo deveremos referir como principal responsável pela democratização da utilização da informação geográfica a Google com as suas aplicações, GoogleMaps e GoogleEarth, seguida pela Microsoft e Yahoo. Não pudemos deixar, de forma alguma, de parte, um grande número de projectos OS de grande valor que democratizam não só a utilização desta informação, mas também a publicação e produção desta, são eles projectos como MapServer, Geoserver, MapBuilder, OpenLayers, Mapbender…..

É sobre estes e outros projectos associados que penso falar aqui neste sítio, dando provavelmente mais atenção a projectos como:

  • Geoserver: por ser o único servidor a implementar a 100% a norma WFS-T 1.1.0 do OpenGIS Consortium, norma esta em que deposito grandes esperanças, quanto à possibilidade de uma produção cooperativa de dados espaciais.
  • OpenLayers: Pela facilidade de utilização e rápido desenvolvimento, e pela tecnologia associada que vai sendo desenvolvida OLArchitect, entre outras, que facilitarão ainda mais a publicação.
  • MapBender: pela facilidade de criação de geoportais e pela implementação da norma OWS (OpenGISWebService)-proxy.